Cristina

A resiliência pela sabedoria

A resiliência pela sabedoria

“Mogli: entre dois mundos” é uma releitura do clássico Mogli lançado inicialmente na obra “O Livro da Selva” em 1894 por Rudyard Kipling. O filme conta a história de Mogli quando, ainda bebê, fica órfão quando seus pais são devorados por um tigre na selva. Ele então passa a ser criado por lobos. Enquanto muitos se perguntam se ele deve ser considerado animal ou humano, o que quero abordar nesta análise e justamente o poder da resiliência que ele obteve por transitar entre os dois Continue lendo

Bird Box – Depressão: enfrentamento e cura

Bird Box – Depressão: enfrentamento e cura

O filme Bird Box estreado por Netflix conta uma história baseada em metáforas. As metáforas se dão em diversos âmbitos, mas elas nos aparecem inicialmente envolvendo os nossos sentidos. É preciso repensar então o enxergar e o ouvir. Vamos aqui a algumas reflexões que o filme nos traz:   O que as pessoas não podiam ver? Se era tão extasiante ver, por que ao ver as pessoas se matavam e matavam outras? O que elas deviam ouvir? O que elas deviam recusar? Qual o papel Continue lendo

A vida é viva

A vida é viva

Reflexão sobre a peça “Casa Caramujo” Recentemente fui assistir à peça Casa Caramujo, texto e direção de Gustavo Paso. Nela, um menino, ainda em fase de simbolizar (brincava de faz-de-conta com seu boneco) tinha que lidar com a difícil missão de ver sua mãe envelhecer, adoecer e aproximar-se da morte. Não bastasse isso, a Dona Morte a ele tenebrosa se apresenta, e ele a enfrenta. Leva embora seu cajado e a aprisiona dentro da casa de um caramujo que estava distraidamente indo tomar banho de rio. Continue lendo

O que é estar seguro?

O que é estar seguro?

“Toda a alegria que o mundo contém Vem de querer felicidade para os outros. Todo o sofrimento que o mundo contém Vem de querer felicidade para si mesmo.” —Shantideva (685-763) em O Caminho do Bodisatva O bem e o mal existem dentro de nós É preciso entender que tipo de segurança buscamos e o que de fato queremos proteger. Senão, estaremos dando a mão para o inimigo, acreditando, pelo seu belo discurso, que o que estamos fazendo é o correto. É comum ouvirmos que existem “pessoas Continue lendo

Admirável Mundo Novo

Admirável Mundo Novo

Contextualizando a obra Admirável Mundo Novo, obra de Aldous Huxley, foi publicado em inglês anteriormente à chegada de Hitler ao poder na Alemanha (1933). Anunciava e denunciava a perspectiva mórbida de uma sociedade totalitária fascinada pelo progresso científico e pela “felicidade obrigatória”. Tal era a visão alucinada de uma humanidade desumanizada por um rígido sistema que a mantinha dopada pelo prazer (pílula: o “soma”). Nessa sociedade, pautada em fins eugenistas e produtivistas, a sexualidade é obrigatória e a procriação negada. Huxley foi um visionário da Continue lendo

Na ânsia da intolerância

Na ânsia da intolerância

Trago aqui uma reflexão a partir de um filme para que possamos pensar a realidade dos tempos atuais.     Breve análise do filme 22 de julho O filme 22 de julho, de Netflix, aborda fatos reais de impactos de atentados terroristas na vida de pessoas comuns. Um dos atentados, o mais grave, deu-se num acampamento organizado pelo Arbeiderpartiet (Partido Trabalhista Norueguês) e matou mais de 70 jovens. Ao mesmo tempo, na capital, Oslo, uma bomba explodia na área de edifícios do governo. O responsável Continue lendo

Ensaio sobre a Cegueira

Ensaio sobre a Cegueira

Ensaio sobre a Cegueira, de José Saramago, romance escrito em 1995, três anos antes de o autor receber o prêmio Nobel de Literatura. Eu tive a oportunidade de lê-lo, ainda adolescente, assim como li Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, que irei comentar num próximo post. O Ensaio sobre a Cegueira também virou filme então, quem puder, assista.     Por que mencionar esta obra? Diante do que estamos passando, eleições tão impactantes, lembrei-me de quando li e assisti ao filme de José Saramago: senti Continue lendo

Não se omita, exista!

Não se omita, exista!

“A única coisa necessária para perpetuar o mal é que as pessoas boas se omitam. Não basta não fazer nada. Não fazer nada é concordar.” Jane Elliot – 1968/EUA   Sobre o documentário Olhos Azuis Olhos azuis é um documentário americano da década de 1960 sobre as experiências da professora e socióloga Jane Elliot sobre racismo e discriminação. Em um de seus workshops sobre racismo, seu objetivo era fazer com que pessoas de olhos azuis se sentissem na pele de uma pessoa negra por um Continue lendo

Síndrome da “Gabriela”

Síndrome da “Gabriela”

“Eu nasci assim, eu cresci assim Eu sou mesmo assim Vou ser sempre assim Gabriela, sempre Gabriela” Gal Costa   Em meus trabalhos, reconheço que o que mais entrava qualquer desenvolvimento é este tipo de pensamento que denomino “a síndrome da Gabriela”. Tendo o mostrar a importância do desapego a esta imagem tão consolidada e real que temos de nós mesmos e a qual fazemos questão de sustentar a qualquer custo. A qualquer custo? Será que vale mesmo a pena?   De onde vem essa Continue lendo

Espaço de Liberdade

Espaço de Liberdade

“E o vento cobriu com silêncio seu próprio rosto”. Cristina Monteiro   Breve análise do filme “Tempestade de Areia” Assisti recentemente ao filme “Tempestade de Areia”, tido como representante de Israel ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2017, e reconheci uma conexão com meu trabalho. Por isso, decidi escrever sobre ele. Tal trama envolve questões relacionadas a um novo olhar e uma nova postura sobre ser mulher em uma tradição e cultura que tolhe a liberdade e a possibilidade de escolhas. Layla (Lamis Ammar), Continue lendo